Você está aqui: Home » E. Bíblica Dominical » Aprendendo com as Portas de Jerusalém

Curta e Compartilhe este estudo em uma rede social!

 

 

Texto Básico: Neemias 3:1-15
“O Senhor ama as Portas de Sião, mais do que todas as habitações“(Sl 87:2)

INTRODUÇÃO
Nos muros da Jerusalém antiga, foram instaladas 12 grandes portas. Cada uma delas era conhecida pelo nome e pela sua função na cidade, na vida do rei e dos sacerdotes. Elas significavam segurança, proteção e defesa. Portas fortes e fechadas protegem a cidade e a guardam em paz e segurança.Independente da aplicação atribuída para cada uma das Portas de Jerusalém, o importante é o seu significado estratégico. Nelas, as autoridades se colocavam, principalmente para exercer a administração e realizar julgamentos. Se um homem ou mulher quebrasse o concerto do Senhor, deveria ser levado às portas da cidade para ser julgado e condenado (ler Dt 17:5-8). Portanto, mais que apenas objetos de madeira ou metal colocados entre os muros da cidade, as portas representavam um retorno da autoridade antes perdida. Mas além do significado estratégico, as portas são alguns segmentos de nossa vida que retratam nossas fortalezas ou vulnerabilidades.
Nesta aula, o que temos em mente é comentar sobre os símbolos das portas de Jerusalém dos dias distantes de Neemias. No livro que leva o seu nome encontramos os nomes de todas elas, as quais são: Porta do Gado ou das ovelhas(3:1,2); Porta do Peixe (Porta de Damasco)- Ne 3:3-5; Porta Velha (Porta de Jafa)- 3:6-12; Porta do Vale(3:3-13); Porta do Monturo(3:14); Porta da Fonte(3:15-25); Porta do Cárcere(12:39); Porta das Águas(3:26); Porta dos Cavalos(3:28); Porta Oriental(3:29); Porta de Mifcade (Guarda)-3:31; Porta de Efraim(8:16).
De tudo que era mui querido para o Senhor, nada mais seria do que a cidade de Jerusalém e as suas portas (ler Sl 87:2,3; 147:12,13). Se era importante para Deus, deve ser igualmente importante para a Igreja. Que ao estudarmos sobre os significados de cada Porta possamos aprender preciosas lições para a nossa vida espiritual.
1. A Porta do Gado ou das Ovelhas(Ne 3:1) – “E levantou-se Eliasibe, o sumo sacerdote, com os seus irmãos, os sacerdotes e edificaram a Porta do Gado, a qual a consagraram…”. Esta Porta, que mais tarde recebeu o nome de Porta das Ovelhas (a Porta recebeu esse nome por causa das ovelhas destinadas ao altar do Templo que passavam por ali) significa a Porta da Salvação (sacrifício) e da consagração. Era a menor entre as doze portas e não foi feita para passagens de homens e sim das ovelhas, pois por ela era que os animais passavam.
Sob o ponto de vista espiritual era a porta mais importante, pois a Bíblia não diz que outra foi consagrada, somente esta! É a porta de encontro com o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo! (João 10:7,9). O Senhor disse: “Eu sou a porta; aquele que entrar por mim, será salvo“.
“Eu sou a Porta“. Cristo é a Porta, isto nos induz a entender que o cristianismo não é um credo, nem uma igreja, antes é uma Pessoa, essa Pessoa é o Senhor Jesus Cristo, a Porta.
“Aquele que entrar por mim será salvo“. Quem entrar por meio de Cristo será salvo, isto é, terá vida eterna e abundante (João 10:10), tudo quanto necessita para ser liberto do pecado, da culpa e da condenação. Jesus é a única Porta da salvação; não há salvação senão por Ele(At 4:12). O convite é para qualquer pessoa. Cristo é o Salvador tanto do judeu como do gentio. Mas para ser salvo o individuo precisa entrar. Ele deve receber Cristo pela fé. A Porta da Salvação está aberta, mas um dia será fechada(2Co 6:2). Aproveite a oportunidade. Jesus está à sua espera!
2. A Porta do Peixe – Damasco (Ne 3:3; 12:39) – “E a porta do peixe edificaram os filhos de Hassenaá, a qual emadeiraram, e levantaram as suas portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos”(Ne 3:3). Uma das principais estradas que passavam por Jerusalém entrava na cidade através da Porta do Peixe(2Cr 33:14). O mercado de peixes ficava próximo ao portão, e comerciantes de Tiro, do mar da Galileia, e de outras áreas de pesca entravam por ele para vender os seus produtos.
Esta Porta fala-nos de trabalho, de crescimento e de reprodução. Lembra-nos dos pescadores do mar da Galiléia chamados por Deus para serem seus discípulos, tornando-se então, pescadores de homens (Mt 4:18- 22). Representa para nós a missão de pregar o evangelho a toda criatura, pois os peixes representam as almas que precisam ser salvas para o Reino de Deus.
3. Porta Velha (Porta de Jafa) – “E a Porta Velha repararam-na Joiada, filho de Paséia; e Mesulão, filho de Besodias…”(Ne 3:6). Esta Porta tipifica a legítima doutrina cristã, que é imutável e atemporal; que apesar de sua antiguidade, jamais será derribada quer pelo liberalismo teológico, quer pelo pós-modernismo. Ela insta-nos a voltarmos ao primeiro amor, isto é, ao modelo doutrinário da Igreja Primitiva, constante no livro de Atos. A Bíblia diz claramente em Atos 2:42: “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, na comunhão uns com os outros, no partir do pão e nas orações“. Nós temos que perseverar nestas quatro disciplinas: a doutrina ou o ensino dos apóstolos, o partir do pão, a comunhão uns com os outros e as orações. Estes são os caminhos antigos, que devemos voltar sem demora. Não há nenhuma autorização para inovação. O Senhor não está interessado em que nós inovemos, mas sim permaneçamos conforme o modelo que nos foi mostrado.
Ela também nos fala das tradições, dos marcos antigos; ensina-nos a não ignorar as raízes de nossas igrejas e os bons costumes das mesmas. Jeremias 6:16 diz: “Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas”.
Hoje em dia o que parece ser tradição na cristandade não é o antigo, mas sim o novo. Por assim dizer, é o carro novo onde se leva a “Arca” puxada por bois, no estilo dos filisteus(ler 2Sm 6:6,7).
Então, o Senhor nos ordena que voltemos para os caminhos antigos, a ter comunhão uns com os outros, a partir o pão, a perseverar principalmente na doutrina dos Apóstolos de Cristo. Amém?
4. Porta do Vale(Ne 3:13) – “A Porta do Vale, reparou-a Hanum e os moradores de Zanoa…”. “O vale é um acidente geográfico cujo tamanho pode variar de uns poucos quilômetros quadrados a centenas ou mesmo milhares de quilômetros quadrados de área. É tipicamente uma are de baixa atitude cercada por áreas mais altas, como montanhas ou colinas”(http://pt.wikipedia.org/wiki/Vale).
O Vale representa um lugar onde somos provados por Deus. O fato de sermos cristãos não significa que temos uma carta de alforria ou um cartão de imunidade das lutas e das provações da vida. Cristianismo não é uma sala vip. O Cristianismo não é um parque de diversões, nem uma colônia de férias. Nós não temos imunidades especiais. Mas temos sim imanência sobrenatural, temos a presença de Jesus conosco. Ele está conosco no vale da dor, no leito da enfermidade, nas agruras, nas intempéries, nas vicissitudes, nas tempestades da vida. Mas quero lhe dizer que as crises, muitas vezes surpreendentes, que não conseguimos controlar, se agigantam, mesmo quando somos pessoas que andam com Deus, da mesma forma que aconteceu com o apóstolo Paulo(ler 2Co 1:8-10; 11:22-33), cuja provação foi tão severa que se viu oprimido acima das suas forças naturais, a ponto de desesperar até da própria vida(2Co 1:8). O importante é saber que Jesus está conosco no Vale. O profeta Isaias diz: “Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. Porque, eu sou o Senhor, teu Deus, o Santo de Israel“(Isaias 43:2-3a).
5. A Porta do Monturo(Ne 3:14) – “E a Porta do Monturo, reparou-a Malquias, filho de Recabe, maioral do distrito de Bete-Haquerém….”. Era, também, chamada de Porta do Sol(Jr 19:2).
A Porta do monturo era o portão através do qual as pessoas levavam seu lixo para ser queimado no vale de Hinom. Esta Porta tipifica a limpeza que devemos fazer em nosso coração – “chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Limpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai o coração“(Tg 4:8). Para que o Espírito de Deus habite em nós, é necessário que a nossa vida esteja no altar de Deus. Para estar no altar de Deus é preciso estar limpo de coração.
O VALE DE HINOM. Neste vale, não apenas o lixo, mas corpos de pessoas consideradas indignas de um sepultamento e, de animais, eram ali lançados. A incineração do lixo e dos corpos de animais e de pessoas que ali eram lançados acontecia com certa frequência. Usava-se enxofre para manter as chamas mais intensas. Devido ao mau cheiro e ao estado de horror encontrado neste lugar, ele passou a ser chamado de geena(hb. ge hinnõn – expressão esta que originalmente denotava o “vale do filho de Hinnon“). A palavra para inferno (lago de fogo) no Novo Testamento é “geena”. Esta palavra foi usada como figura para o inferno devido à situação daquele fogo contínuo (seu fogo ficava sempre aceso), onde eram lançadas as criancinhas.
Neste vale eram oferecidos sacrifícios de crianças ao “deus” Moloque (2Rs 16:3; 21.6; 2Cr 28:3; 33:6). Deus puniu severamente Israel por causa destes nefastos procedimentos(Jr 7:31-34). Foi muito utilizada no reinado de Acaz (2Crônicas 28:1-3).
A Porta do Monturo representa jogar fora o lixo espiritual, que nos atrapalha e nos impede de corrermos a carreira que nos foi proposta (Hb 12:1). Tudo o que não se enquadra dentro do fruto do Espírito é lixo e deverá ser removido. O apóstolo Paulo, em Gálatas 5:19-21 mostra uma parte da lixeira de Satanás, que aquele que cristão diz ser deve se manter distante dela: “Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, heresias, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam“.
Se não tomarmos cuidado todo esse lixo invadirá nossa vida por intermédio da mídia. Infelizmente, muitos são os que passam horas seguidas diante da TV e da internet, permitindo que todo esse lixo entre em nossa casa. A Palavra de Deus adverte-nos: “Não meterás, pois, abominação em tua casa, para que não sejas anátema”(Dt 7:26). Tomemos cuidado, pois, com o que vemos, ouvimos e lemos, pois as Sagradas Escrituras alertam-nos a não colocarmos coisas más diante dos nossos olhos(Sl 101:3).
É bom ressaltar que para Deus não há lixo reciclável. O Senhor não faz reforma em nós, não põe vinho novo em odre velho. Tudo o que é do “velho homem” deve ser despojado. Tudo o que é do “velho homem” tem que ser lançado para fora e temos que nos revestir de tudo o que é do novo. Aquele que está em Cristo é uma nova criatura, as coisas velhas já passaram, eis que tudo, absolutamente tudo, se fez novo por Deus (2Co 5:17). Tudo o que não é do novo, oportunamente será lançado no “lago de fogo e enxofre” (inferno propriamente dito – Mt 25:31-46), onde ficará ali eternamente(Ap 19:20; 20:10,14). Neste caso o fogo não será para purificação, porque o cheiro será de enxofre.
6. Porta da Fonte(Ne 3:15) -”E a porta da fonte reparou-a Salum, filho de Col-Hozé, maioral do distrito de Mizpa...”. Esta Porta ficava ao sul de Jerusalém perto do “tanque de Siloé”, onde o cego de nascença foi curado por Jesus (João 9:10,11).
A Porta da Fonte representa para nós a necessidade da presença do Espírito Santo, porque assim como no deserto a água é um elemento indispensável para a vida, o Espírito de Deus é fundamental para o sustento de nossa alma. Por isso é importante que nós estejamos buscando esta Fonte que é Jesus, pois Ele nos dará água da vida, que é o Espírito Santo. O salmista tinha consciência disso: “Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por Ti ó Deus, suspira a minha alma” (Sl 42:1).
Num determinado dia, quando em Israel se comemorava a festa das cabanas, “Jesus pôs-se em pé e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, que venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre. E isso disse ele do Espírito, que haviam de receber os que nele cressem…”(João 7:37-39).
Aquela festa rememorava a experiência vivida por Israel no deserto quando Moisés tirou água da rocha para o povo beber. Naquela festa havia a cerimônia da água em que uma procissão liderada por um sacerdote descia ao tanque de Siloé onde um jarro de ouro era enchido de água e levado ao Templo. A água era derramada no altar, e os cantores do templo cantavam os Salmos 113 a 118. Também, aquela festa trazia em si o sentido da expectativa da vinda do Messias. Provavelmente, no oitavo dia, era realizada uma oração para que a chuva viesse sobre a terra. É nesse momento que Jesus, de pé, no meio do Templo, se apresenta como a Fonte das águas vivas.
Se ele disse ser a Fonte das águas vivas, podemos concluir que poderia haver outras fontes das quais as pessoas bebiam. Em Jeremias 2:13 está escrito: “Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm as águas”.
Israel, como povo de Deus, havia deixado a Deus para cavar as suas cisternas tentando saciar a sede de sua alma em outros lugares. E naquela festa Jesus veio alertá-lo que não adiantava fazer a festa, o ritual, e buscar saciar a sede em outras fontes.
Esse brado de Jesus, também, é para nós hoje:Se alguém tem sede, que venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre“. Hoje também, existem muitas fontes nas quais o homem tem procurado beber. O homem procura saciar a sua sede nas seitas heréticas, nas filosofias orientais, no esoterismo, meditando em pirâmides, buscando na ioga um equilíbrio interior, fazendo romarias a lugares “santos”, fazendo procissões em busca de um milagre, etc. Mas Tudo isso é improfícuo. As águas dessas cisternas são misturadas, inúteis para saciar a sede da alma. São águas que não curam as enfermidades do espírito. Disse Jesus: “Qualquer que beber desta água tornará a ter sede…”(João 4:13,14).
Portanto, Jesus Cristo é a Fonte eterna, por isso é inesgotável. Se sua vida é sem sentido, se você está sempre com aquele sentimento de que alguma coisa está faltando, Jesus é a Fonte da água da vida. Ele diz sempre: “venha a mim e beba”; “aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna“. A Água que Ele dá é o Espírito Santo.
7. A Porta de Mifcade(da Guarda)(Ne 3:31)“Depois dele, reparou Malquias, filho de um ourives, até à casa dos netineus e mercadores, defronte da Porta de Mifcade…”. Tudo indica que esta Porta ficava adjacente ao Templo. Ela dava acesso aos corredores onde ficavam os oficiais que guardavam e vigiavam a cidade. Por esta porta entravam os guardas e os comandantes, aqueles que davam o aviso quando o inimigo chegava; ali as sentinelas ficavam na expectativa da chegada do inimigo. Se esta porta não estivesse perfeitamente fixada, a cidade estaria vulnerável aos ataques. Os lugares principais que deveriam ser guardados na Cidade eram o Templo e o palácio do Rei.
Mifcade quer dizer guardar e vigiar. Esta Porta nos faz lembrar a guarda dos preceitos divinos: “inclinei o meu coração a guardar os teus estatutos, para sempre, até o fim“(Sl 119:112). Devemos guardar a fé, a santidade e a Palavra de Deus em nosso coração para não pecarmos contra Ele(Sl 119:11), vigiando e orando em todo o tempo, para que não venhamos a cair em tentação, pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca(Mt 26:41).
Precisamos estar atentos aos ardis, laços e ciladas do inimigo. Precisamos vigiar sempre, de dia e de noite. Neemias era um líder que vigiava, não dava chance ao inimigo – “Porém nós oramos ao nosso Deus e, como proteção, pusemos guarda contra eles, de dia e de noite“(Ne 4:9). Não basta orar, é preciso vigiar. Precisamos manter os olhos abertos. Muitos caem porque deixam de vigiar. Sansão caiu não diante de um exército, mas no colo de uma mulher. Davi não perdeu a mais importante batalha da sua vida no campo de guerra, mas na cama do adultério. O apóstolo Pedro, porque não vigiou, dormiu; porque dormiu na hora que devia orar, negou o seu Senhor. A ordem expressa do Senhor é: “… guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa”(Ap 3:11).
8. A Porta do pátio do cárcere (Ne 3:25; 12:39) – O cárcere era uma prisão subterrânea que havia em Jerusalém. Fora dela havia um pátio fechado onde os detidos saiam para caminhar e pegar sol. Neste pátio o profeta Jeremias esteve preso (Jr 32:2).
Espiritualmente, simboliza “as cadeias” ou “prisões” que imobiliza o crente que se descuida da vigilância (João 8:32,36). As prisões podem ser quebradas pelo poder de Deus (At 16:26).
9. A Porta das Águas(Ne 3:26). Enquanto a Porta da Fonte fala do lugar onde brotam águas, a Porta das Águas fala das correntes que levam aos mananciais das águas. Não é uma fonte de onde emana água, mas um lugar de águas correntes.
A Porta das Águas é um símbolo do enchimento constante do Espírito na vida do cristão. É vital que todos os dias nos banhemos nas águas que correm do trono de Deus, antes de nos colocarmos diante dEle em adoração e louvor.
10. A Porta dos Cavalos(Ne 3:28). Naqueles dias, os cavalos eram peças essenciais nas guerras, sem os quais os carros não poderiam andar. Os cavalos simbolizavam as guerras, as batalhas, as lutas, enfim, as conquistas dos povos! Esta Porta ficava junto ao muro oriental.
A Porta dos Cavalos simboliza na nossa vida de batalhas e de lutas que enfrentamos diariamente. Sendo que a maior destas lutas é contra a nossa carne, pois ela milita contra o espírito com a intenção de nos afastar de Deus(Gl 5:17), sendo que em pecado fomos concebidos e o nosso coração tende para o mal.
11. A Porta Oriental(Ne 3:29). Acredita-se que esta é a porta pela qual Jesus entrou em Jerusalém, e que hoje se encontra lacrada! Espera-se que o Messias entre por ela em sua segunda vinda.
Na simbologia espiritual esta Porta representa a volta de Jesus (ler 1Ts 4:16,17). Por representar a volta do Senhor, significa que devemos estar prontos para o grande Dia do arrebatamento, ocasião em que iremos nos encontrar com o Senhor nos ares. É a maior e mais sublime esperança do cristão (ler João 14:1-3).
12. A Porta de Efraim(Ne 12:39). De Acordo com Gênesis 41:52, Efaim quer dizer: “duplamente frutífero“. Porção dobrada da herança era um direito de primogenitura (Dt 21:17; c/c 2Rs 2:9); bênçãos. Vós não me escolhestes a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos designei, para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda (João 15:16). Todo cristão é escolhido “do mundo”(João 15:19) para “dar fruto” para Deus(João 15:2,4,5,8). Esta frutificação se refere: (a) às virtudes espirituais tais como as mencionadas em Gálatas 5:22,23 – amor, alegria, paz,. Longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança; e (b) à conversão a Cristo, de outras pessoas (João 4:36; 12:24).
CONCLUSÃO
As 12 Portas estudadas aqui remontam ao contexto da reconstrução social da cidade antiga de Jerusalém na época de Neemias. Vimos quão preciosas lições elas nos trazem para nossa vida pessoal e espiritual.
Atualmente, a cidade velha de Jerusalém tem apenas oito portas, a saber: a Porta Nova, furada em 1887, que dá acesso direto ao bairro cristão; a Porta do Esterco – uma “porta de serviço” – por ela penetra-se no monte Moriah; a Porta das Flores (Herodes); a Porta de Jafa (Velha) – é a mais movimentada; a Porta de Damasco (Peixe) – se abre para a cidade de Nablus e para a Síria – e por ela se entra no bairro muçulmano; a Porta dos Leões – aponta para o Leste, para a cidade de Jericó; a Porta de Sião – está na direção de Hebron, ao Sul; a Porta Dourada(Porta Oriental) – é a única porta da muralha cujas entradas estão seladas.
Para a Igreja do Senhor, Deus preparou uma Cidade: a Jerusalém Celestial, a Nova Jerusalém. Nela existem também doze Portas(Ap 21:10-14), as quais não têm um significado de defesa, já que a paz é absoluta e as portas permanecerão sempre abertas; sua finalidade é exaltar a magnificência da imagem da cidade eterna. Segundo alguns estudiosos, as doze portas da Jerusalém Celestial representam Israel(Ap 21:14), e os doze alicerces representam a Igreja(Ap 21:14). Isto destaca o fato de que seus habitantes são os santos de Deus do Antigo e Novo Testamento. Brevemente, todos os salvos em Cristo habitarão para sempre nesta gloriosa Cidade, da qual Deus é o arquiteto e construtor (Fp 3:20;Hb 11:10,16). É a mais sublime esperança do cristão. “Bom é ter esperança, e aguardar em silêncio a salvação do Senhor”(Lm 3:26). Amém!

Extra:

Elaboração: Luciano de Paula Lourenço – Prof. EBD – Assembléia de Deus – Ministério Bela Vista. Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com
Referências Bibliográficas:
William Macdonald – Comentário Bíblico Popular (Novo Testamento).
Bíblia de Estudo Pentecostal.
Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal
Revista Ensinador Cristão – nº 48.
O Novo Dicionário da Bíblia – J.D.DOUGLAS.
Comentário Bíblico Beacon – CPAD
Comentário Bíblico NVI – EDITORA VIDA
Caramuru Afonso Francisco – A Formosa Jerusalém Celestial
.

 

© 2011 Luciano Santos | A Vitória é Nossa Pelo Sangue de Jesus diHITT - Notícias